quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Equipe de saúde continua refém de índios em Itaipava do Grajaú





Uma equipe de profissionais da saúde ainda continua mantida refém em uma aldeia indígena na cidade de Itaipava do Grajaú, mas até agora nenhuma medida foi tomada por parte das autoridades.
No local desde ontem haviam duas equipes de profissionais da saúde, tendo uma delas conseguido fugir. Composta por um motorista, um médico do programa Mais Médicos, uma enfermeira, uma técnica de enfermagem, uma dentista e uma auxiliar bucal. Eles foram avisados por uma enfermeira que conseguiu escapar que já havia uma equipe presa em poder dos índios.
A enfermeira só escapou por ser mãe de uma criança de colo.
Os reféns são mantidos sem água e comida desde ontem, tudo para forçar DSEI a atender suas exigências que até o momento são desconhecidas
Entretanto, a falta de negociação já é antiga, já que a equipe mantida refém não visitava a área há mais de duas semanas ante a ameaça de “seqüestro”, situação comunicada aos superiores que nada fizeram além de determinar o retorno da equipe à zona de risco, enviando junto com ela outra equipe de saúde.
Apesar do risco da situação e do conhecimento do coordenador da área, Sr. Alexandre, nenhuma medida fora tomada e ninguém do Estado foi avisado sobre o ocorrido. Muito menos solicitada a presença da Polícia Federal.
O que se sabe é que a equipe que conseguiu fugir das garras indígenas, se socorreu da polícia local de Itaipava do Grajaú, onde obteve guarida, mas sem solução para os colegas que permanecem cativos.
Isto porque as policias estaduais, Militar e Civil não possuem autorização para adentrar na área indígena, função exclusiva exercida pela Polícia Federal.
Os reféns esperam um posicionamento da Funasa e dos órgãos competentes para que algo possa ser feito o mais rápido possível.


Redação. Gilberto mix
Reportagem. willame policarpo

Nenhum comentário:

Postar um comentário