terça-feira, 20 de outubro de 2015

SLP: Vereadores visitam creche em povoado de Alto do Abel.


Ver. Willame Policarpo, Ver. Airton Alencar, Ver. Novinha e Ver. Raylson Fernandes.
Incitados por um convite instigado da vereadora Novinha (PT), uma comitiva integrada por mais três vereadores, o Railson Fernandes, o Willame Policarpo e o Airton Alencar, realizou em torno das 11:30h de hoje (16), uma visita de fiscalização às reformas empreendidas pela prefeitura municipal na Creche Céu Azul, localizada na Rua do Comércio, no povoado Alto do Abel, em Santa Luzia do Paruá. 
O moderador deste blog atendeu prontamente o pedido dos parlamentares para registrar a situação que já vinha sendo mostrada em nossa página em outros episódios que destacaram as visitas da vereadora Novinha. Só para lembrar, após esses registros, a lona que trazia as informações sobre o convênio simplesmente foi retirada da placa que está diante do prédio. Ainda bem que tínhamos uma  foto salva nos arquivos de nosso arquivos!
Ao chegarmos no local para a visita, funcionários já estavam avisados de nossa presença e no local encontravam-se outros que prestam serviços de assessoria comunicação para prefeitura. "Até a diretora da unidade está de vassoura em punho ajudando na limpeza do ambiente", indagou a vereadora Novinha logo na chegada!
Percorrendo os espaços do local, em primeiro, nos deparamos com a falta de ventilação onde as crianças descansam. Constatamos também que apesar de ter havido uma ampliação do espaço para as crianças, as mesmas só puderiam se dispor de um dos dois banheiros construídos, o das meninas, pois o outro banheiro já foi inaugurado sem funcionar! O único banheiro em utilizável não estava adaptado com o uso de chuveiros, tendo apenas pias, sanitários (nem todos com tampas) e torneiras.  Caixas de gorduras não tinham tampas de concreto e pode permitir o contato das crianças, já que as mesmas ficam no corredor de acesso a sala de descanso. Esta caixas de gorduras não tem um reservatório, pois todos os dejetos liberados no prédio escorrem junto da calçada e são despachados na rua em frente criando um lamaçal improvisado. Com a reforma do ambiente, não houve a troca da mobilha que já está bastante precária, com rachadura na madeira ou cheias de buracos. Numa das portas há uma fechadura improvisada com pedaço de madeira e pregos. E nas instalações elétricas encontramos fios expostos ou envolvidos em pedaços de sacolas e tomadas não embutidas.  O piso ainda é constituído em sua maior parte por uma lajota antiga e nas paredes há rachaduras em vários cômodos.
Diante destes problemas e muitos outros, os vereadores sentem que são poucos os benefícios colocados nos trabalhos de reforma do prédio, que teria custado a bagatela de R$ 78,247, 68! Para o vereador Railson "nem o prédio custa tudo isso, quanto mais uma reforma!", comentou. Interessante é que a empresa que trabalhou nesta reforma, a Visual, é alvo das desconfianças dos vereadores.
A expectativa é a de que esta fiscalização presencial possa render uma representação por parte dos vereadores no Ministério Público contra a prefeitura municipal para que dê explicações sobre as reformas do povoado.






reportagem. Willame Policarpo

Nenhum comentário:

Postar um comentário