quarta-feira, 30 de março de 2016

Em SLP: Pelo visto está vindo mais uma GREVE dos professores da rede Municipal.


Após reunião ocorrida no inicio da semana, no gabinete da Prefeita Eunice Boueres Damasceno, representada naquele ato pela Secretária Municipal de Educação Joelma Gonsalves, referente ao reajuste do piso salarial profissional do magistério de 11,36 % concedido pelo governo federal, toda a categoria ficou bastante decepcionada.

Pois, na verdade não houve proposta de reajuste. A reunião teve início já com o contador da prefeitura, Francisco Laerdio expondo uma planilha, na qual o objetivo da mesma já era uma projeção das despesas com a educação em 2016 em relação a 2015.

Assim sendo, como sempre, ficou logo entendido por todos nós, que a excelentíssima prefeita não tinha nenhuma proposta de reajuste.

Um dos representantes da Secretaria Municipal de Educação, juntamente com a Sra., secretária Joelma Gonsalves, assumiu a palavra sugerindo que o quê poderia ser feito era reajustar nosso piso com o piso nacional, da seguinte forma: Pegaria o novo piso nacional de 40 horas, dividia por 2, que daria igual R$ 1067,32. Como o nosso piso atual de 20 horas é R$ 1052,79, aconteceria apenas uma aumento da ordem de 1,42 %, que se traduz no valor de R$ 15,00, ou seja, um quilo de carne.

Dessa forma, já concebida a negativa de cumprimento do reajuste por parte da prefeita, o restante da pauta como as progressões e o abono salarial ficou também comprometida, pois o embate ficou acirrado provocando o fim da reunião.

Na sequência, ainda ontem por volta da 17:30h houve imediatamente a assembleia geral da categoria na sede do sindicato, para expor o fracassado e inesperado resultado da reunião com a excelentíssima prefeita aos companheiros. Após a fala explicativa da nossa coordenadora Elissandra Durans e sob a orientação do nosso Advogado Edward Pires, sobre os fatos ocorridos na fracassada reunião, ficou deliberado pela categoria que ocorrerá inicialmente uma PARALISAÇÃO DE ADVERTÊNCIA, nos dias 06, 07 e 08 de abril/2016, por conta do não reajuste da nossa base salarial.

E, dessa forma, ficou combinado conforme ofício anexo que, se a prefeita não nos repassar o que é de direito enviado pelo governo federal, a categoria após o dia 08/04/2016 deliberará novamente em outra assembleia por outra paralisação, desta vez, por tempo indeterminado.
 


reportagem. Willame Policarpo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário