quarta-feira, 18 de maio de 2016

MP QUER QUE THIAGO MARANHÃO DEVOLVA DINHEIRO QUE RECEBEU DO TCE

Ele é investigado por receber salário do TCE-MA sem exercer a função.
Thiago Maranhão foi exonerado em maio após denúncias.



O Ministério Público do Maranhão (MP-MA), que investiga o caso de médico Thiago Maranhão, filho do presidente interino da Câmara Federal dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), quer que ele devolva todo o dinheiro recebido enquanto foi funcionário do Tribunal de Contas do Maranhão (TCE-MA) e quer saber quem mais estava envolvido na fraude. Thiago é acusado de ter recebido salário sem trabalhar por três anos.

O caso está sendo investigado pela 31° Promotoria Especializada na Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa. Os promotores aguardam que o TCE-MA encaminhe até semana que vem a documentação com as informações funcionais de Thiago Augusto Azevedo Maranhão Cardoso.

Thiago Maranhão foi nomeado Assessor do Conselheiro Edmar Cutrim em novembro de 2013 e recebia um salário de cerca de R$ 7,5 mil, além de R$ 800 de auxílio alimentação. O médico ficou no cargo até maio e foi exonerado após as denúncias de que seria um "funcionário fantasma".
O promotor de Probidade Administrativa, João Leonardo Leal, disse que os órgãos públicos possuem repatições de controle para que não existam "funcionários fantasmas" e que o caso deve ser apurado.

“Presumimos que o órgão público tenha os órgãos internos de controle. Na nossa casa, o Ministério Público, nós temos o dever de frequência diária. Os nossos assessores, nossos servidores, diariamente, recolhem pontos pela impressão digital. Todos os órgãos têm esse controle e isso tem que ser apurado”, disse.

No momento, somente o caso do médico Thiago Maranhão está sendo analisado pelos promotores, mas eles não descartam a possibilidade de haver mais "funcionários fantasmas" no Tribunal de Contas do Estado.

Zanony Passos Filho, outro promotor de Probidade Administrativa, explicou que para abrir outras investigações é necessário que haja denúncias. “Denuncie casos que as pessoas saibam de lá. Agora, com seriedade. Não venham com suspeitas ou revanchismo, ou que seja parentes, casos de nepotismo, que é outra situação vedada por lei”, revelou.

O telefone da Ouvidoria do Ministério Público do Estado do Maranhão para denúncias é o 0800 098 1600.




Bloqueio dos bens

O juiz titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, Douglas Martins, pediu nesta terça-feira (17) o bloqueio online de ativos financeiros e veículos do médico Augusto Azevedo Maranhão Cardoso até o limite de R$ 235 mil.  Na sentença consta a restrição de transferência no Detran-MA e expedição de oficio aos cartórios de registro de imóveis avisando sobre a decisão.


reportagem. Willame Policarpo
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário