segunda-feira, 13 de junho de 2016

ALUNO COM NECESSIDADES ESPECIAIS É VÍTIMA DE ESTUPRO COLETIVO NO CE

Leia Mais:http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,aluno-com-necessidades-especiais-e-vitima-de-estupro-coletivo-no-ce,10000056919
Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Leia Mais:http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,aluno-com-necessidades-especiais-e-vitima-de-estupro-coletivo-no-ce,10000056919
Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Siga @Estadao no Twitter

Polícia Civil apura se grupo de alunos da mesma escola cometeu o ato.
Criança sofria bullying de alunos há dois anos, segundo pais da vítima.



Os pais de um aluno de 9 anos de uma escola pública de Fortaleza denunciam um caso de estupro coletivo ocorrido dentro do colégio no início da semana, supostamente cometido por outros estudantes. Segundo depoimento da mãe à polícia, o garoto já sofria bullying e agressões na escola há dois anos. 

O caso foi denunciado no 34º Distrito Policial e corre sob sigilo para não atrapalhar as investigações, mas, segundo o pai da criança, que não quer se identificar, um laudo do IML constatou a violência contra a criança.

"Na segunda-feira [6] eu encontrei meu filho quando fui buscar na escola, ele estava chorando, nervoso, todo se tremendo e eu perguntei o que havia acontecido. 'Os meninos me pagaram e fizeram maldade comigo'. Fiz o b.o. no 34º Distrito, e um policial me levou ao IML. O exame de corpo de delito mostrou que meu filho foi violentado", relata o pai.

Ainda de acordo com os pais, a criança afirmou que foi amordaçada na escola por cinco estudantes, que seguraram os membros e taparam a boca para evitar que criança gritasse, enquanto sofria abuso dentro da escola, no Bairro Presidente Kennedy.

Bullying e agressões
O pai da vítima afirma ainda que a criança havia relatado agressões e bullying na escola há dois anos. "Eu procurava a direção da escola, falava das marcas de agressão no meu filho, a direção sempre falava que iria resolver, mas nunca foi atrás de solucionar a situação", conta.

A Secretaria Municipal de Educação afirma que abriu sindicância para apurar os relatos dos pais e encaminhou o caso para o Conselho Tutelar. A secretaria afirma ainda que a criança vítima de abuso, a família e a escola são acompanhados pela Célula de Acompanhamento Social da pasta.

Na terça-feira (7), um dia após o caso de estupro coletivo, o aluno que sofreu abusos foi transferido de escola, após obter uma declaração de transferência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário