sábado, 28 de abril de 2018

Pacientes voltam frustrados após passar noite em fila de marcação de consultas no Maranhão.

Em São Luís, uma fila que dobrava quarteirão se concentrou na Santa Casa de Misericórdia. A maioria das pessoas voltou para casa sem marcar a consulta na rede municipal de saúde.




No começo da manhã desta sexta-feira (27) uma enorme fila se formou na porta do setor de marcação de consultas na Santa Casa de Misericórdia, na região central de São Luís. A quantidade de pessoas fazia a fila dobrar o quarteirão ao redor do centro.

Muitos pacientes chegaram à fila ainda na quinta-feira (26) e passaram a noite acordados para conseguir atendimento médico na rede pública municipal. A aposentada Telma Lisboa chegou a desmaiar e, mesmo na porta de hospital, ficou sem atendimento.
“Já perdi sentido, já me machuquei... que eu tenho problemas e tomo remédios controlados”, contou a aposentada.



Várias pessoas percorreram longas distâncias para chegar na Santa Casa porque não conseguiram agendar atendimento nas unidades de saúde perto de suas residências. O aposentado José Conceição da Silva Carvalho disse que já tinha tentado conseguir um dia antes, mas a senha já tinha acabado.
“Eu vim ontem, mas quando cheguei já tinha terminado a senha. Aí vim hoje e estou esperando vendo o que consigo pra hoje”, reclamou José.
A dona de casa Marcley Faria contou na fila de espera que já faz meses que tenta agendar consulta, mas não consegue.
“Não, porque não tinha para o que eu quero. Eu queria para ortopedista”, afirmou.





Às 07h30 da manhã o portão foi aberto para a acomodação dos pacientes na área de atendimento, mas com o número de senhas limitado. Para as pessoas idosas foram distribuídas 25 senhas, um número bem menor para a quantidade de pacientes na fila e pelos pouco mais de 10 especialidades oferecidas.
Depois de várias tentativas em um ano, dona Maria Joana, de 66 anos, finalmente conseguiu agendar uma consultar um especialista na área de neurologia.
“Já tentei foi muito. Até que hoje consegui”, afirmou.




Já o lavrador Juvenal Marques, de 67 anos, disse que precisa fazer uma cirurgia no olho direito e que tenta atendimento há muito tempo. “Desde dezembro que eu estou com encaminhamento para autorizar e ainda não consegui”, ele contou.
Hoje (27), após seis meses do início da peregrinação, ele conseguiu a senha, mas na hora de agendar a consulta descobriu que o oftalmologista que o acompanha não está disponível. Por isso, teve que voltar pra casa.
“Disseram que o com Dr. Vicente não está autorizando. Só o Dr. Arimateia, mas ele não é o médico que está me acompanhando e não posso marcar, já que cada um tem um sistema de trabalho, né?”, lamentou o lavrador depois de voltar da fila.



A Secretaria de Saúde da Prefeitura de São Luís informou que a Santa Casa é um prestador SUS e que os horários de marcação de consultas são definidos por sua administração. A secretaria disse também que vai reunir com a equipe da Santa Casa para discutir as demandas relacionadas à unidade marcadora daquele local a fim de incluí-la no conjunto de melhorias que estão sendo feitas de maneira progressiva no processo de marcação de consultas, que está em fase de mudanças.


REPORTAGEM WILLAME POLICARPO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário