RÁDIO TROPICAL FM 89,3

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Decisão de juíza contra Flávio Dino e o 'fantasma' do caso de Jackson Lago.


Governador foi considerado inelegível, mas disputará as eleições. Caso de mandatário cassado em 2009 inspira cuidado. A magistrada é casada com Márcio Fontenele, filho do radialista Hebert Fontenele, que trabalhou por anos no Sistema Mirante.



Anelise Nogueira Reginato, juíza eleitoral de Coroatá, no Maranhão, determinou a inelegibilidade por oito anos do governador Flávio Dino por suposto abuso de poder econômico nas eleições municipais de 2016. A magistrada tem relações de proximidade com a família Sarney, adversária de Dino no estado.

A ação, movida há dois anos e aceita por Reginato às vésperas das eleições, partiu da coligação "Coroatá com a força de todos", liderada por Teresa Murad, mulher do ex-secretário de saúde de Roseana Sarney, Ricardo Murad. Dino foi acusado pela coligação de usar o programa de asfaltamento de ruas do governo para beneficiar Luís de Amovelar, do PT, candidato a prefeito de Coroatá em 2016.

A magistrada cita um áudio no qual o secretário de Comunicação Social e Assuntos Políticos do Maranhão, Márcio Jerry, teria prometido a entrega do asfalto "com as eleições (...) dia 2 de outubro".

Em seu twitter, Dino afirmou que ele o vice-governador Carlos Brandão Junior não estão inelegíveis para estas eleições. "O resto é a velha prática do grupo Sarney/Murad. Estão com síndrome de abstinência de privilégios. Aí ficam inventando coisas sem sentido."




Como a decisão é em primeira instância, Dino não será impedido de fato não será impedido de concorrer. Segundo interlocutores do governador, o principal risco, caso ele se reeleja, é a partir de 2019, quando a ação deve chegar ao Tribunal Regional Eleitoral. Uma decisão desfavorável a Dino poderia levar a uma cassação de seu mandato, que teria de ser confirmada no Tribunal Superior Eleitoral.

O caso preocupa ao se lembrar a campanha judicial contra Jackson Lago, governador do Maranhão eleito em 2006, falecido em 2011. Ele foi acusado de abuso de poder econômico e de compra de votos por Roseana Sarney, que ficou em segundo lugar no pleito. Em 2009, o TSE julgou a ação movida pela filha de José Sarney e decidiu, em votação apertada, anular os votos de Lago e de seu vice por abuso de poder. À época, o tribunal ordenou a diplomação de Roseana.

A equipe do governo estadual confia que o clima no judiciário local e nacional mudou desde então. Eles se apegam a uma decisão favorável a Luciano Leitoa (PSB), prefeito de Timon e aliado de Dino. Leitoa sofreu ação semelhante como a de Dino: foi acusado de abuso de poder político pelo uso eleitoral do programa Mais Asfalto. De acordo com interlocutores do governador maranhense, a acusação contra Leitoa não prosperou no TRE.



Apesar de analisar que há uma jurisprudência favorável, quadros próximos a Dino preocupam-se com o "fantasma" do caso de Lago, até pelo ambiente desfavorável no judiciário nacional em relação ao caso de Lula. Ex-juiz federal, Dino confia que a condenação será revertida na Justiça, mas a conjuntura política inspira cuidados.

Reginato tem laços com a família Sarney, que comandou por quase cinco décadas a política local. A juíza excluiu sua conta do Facebook após blogs locais divulgarem uma postagem da magistrada nas redes sociais em que avisava estar na TV Mirante, afiliada da Rede Globo no Maranhão e ligada à família do ex-presidente. "Nada como se sentir em casa, bem à vontade, sem chinelo... Ah...", escreveu Reginato.

A magistrada é casada com Márcio Fontenele, filho do radialista Hebert Fontenele, que trabalhou por anos no Sistema Mirante. Segundo interlocutores de Dino, o marido da juíza tem relações próximas com nomes como Edison Lobão Filho, que disputou as eleições estaduais contra o atual governador em 2014 como herdeiro político da família Sarney e de seu pai, o ex-ministro Edison Lobão. Na ocasião, Lobinho, como é conhecido no Maranhão, encampou uma ferrenha campanha anti-comunista contra Dino, mas acabou derrotado.


REPORTAGEM  WILLAME POLICARPO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário