RÁDIO TROPICAL FM 89,3

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

RECÉM NASCIDO É ENCONTRADO ABANDONADA ÀS MARGENS DA ROD. BR-316 EM NOVA OLINDA DO MARANHÃO

Uma criança recém-nascida do sexo feminino foi encontrada abandonada às margens da rodovia BR-316, na manhã de sábado (19/10), nas proximidades do posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na circunscrição do município de Nova Olinda do Maranhão. A criança foi encontrada por um andarilho que caminhava pela rodovia e parou quando ouviu um choro distante e abafado, segundo seus relatos, ao que procurou saber do que se tratava, quando se deparou com a criança enrolada em panos. 

Uma enfermeira que trabalha nas cidades de Araguanã e Nova Olinda passava no local e ao ver o andarilho com a criança resolveu parar para saber do que se tratava, quando tomou conhecimento da situação e de pronto tratou de prestar socorro à recém-nascida, que inicialmente foi levada para o Hospital de Nova Olinda, onde recebeu os primeiros socorros, em seguida foi encaminhada para o Hospital Regional de Zé Doca, de onde fora transferida para o Hospital da Criança em São Luís, onde permanece internada e em incubadora. 

De acordo com os profissionais da área de saúde que prestaram o atendimento inicial, a criança teve nascimento prematuro, com estimativa de apenas 26 semanas de gestação e os indícios eram de que a mesma tinha poucas horas de nascida, pois ainda estava com restos de placenta e sangue pelo corpo. 

O Conselho Tutelar de Nova Olinda, a Polícia Civil e o Ministério Público de Santa Luzia do Paruá foram imediatamente acionados e estão acompanhando o caso, inclusive para assegurar a pronta recuperação e salvamento da criança, cujo quadro de saúde é considerado grave e inspira cuidados especiais.

A própria enfermeira que prestou o socorro inicial se disponibilizou a acompanhar a transferência da criança até São Luís, como de fato o fez, em um ato de humanidade, desprendimento pessoal e profissional. Apesar da nobreza do seu ato, para a surpresa da Polícia Civil que vinha monitorando toda a situação juntamente com o Ministério Público, ao ser atendida por uma Assistente Social no Hospital da Criança, a enfermeira chegou a repreendida de uma forma travestida de uma verdadeira ameaça de prisão, por supostamente não ter atendido com rigidez uma regulamentação afeta ao registro de recém-nascidos, o que sem dúvida se revelou despropositado diante do foco maior que era preservar a saúde e vida da criança.

No curso da semana será instaurado procedimento policial na Delegacia de Santa Luzia do Paruá, pelo delegado José Raimundo Batalha jardim para apuração das responsabilidades criminais da genitora e eventuais partícipes. Ainda não foi possível identificar a mãe da criança, mas as investigações já estão em curso para essa finalidade. 

A Delegacia de Santa Luzia do Paruá pede que quem tiver informações a respeito que faça a denúncia diretamente na Delegacia, no Ministério Público ou no Conselho Tutelar ou ainda que use os serviços de disque-denúncia disponíveis gratuitamente através de um dos números (98) 3223-5800, 0300.3135800, (98) 99224-8660 (WhatsApp) e o “Disque 100”. Em quaisquer das opções é assegurado a preservação do anonimato da fonte.
Fonte: Delegacia de Santa Luzia do Paruá.



Reportagem:Willame Policarpo

Nenhum comentário:

Postar um comentário