RÁDIO TROPICAL FM 89,3

https://cantador.app:9160/live

quinta-feira, 2 de setembro de 2021

Bolsonaro é um covarde conhecido e não tem força nem coragem de realizar ruptura, diz Flávio Dino


Em entrevista à TV Democracia, o governador Flávio Dino (PSB) alertou para os riscos de confrontos e derramento de sangue no próximo dia 7 de setembro. 


No entanto, afirma que Bolsonaro não tem força, nem coragem, muito menos competência para realizar algum tipo de ruptura. 


“Ele sabe disso. Na verdade, ele tenta intimar, tenta paralisar, tenta impedir que o Supremo decida... Ele quer ganhar no grito, então faz essas ameaças... Esssas coisas. Mas o Bolsonaro não se notabiliza pela coragem, ele é um covarde conhecido”, diz. 


Flávio observa que a covardia, por outro lado, impulsiona o desejo do conflito. “Na impossibilidade de impor, de intimidar, ele quer confronto, ele quer conflito, e isso em si mesmo já é gravíssimo”, avisa. 


Nesse sentido é que o governador maranhense chama atenção para dois equívocos comuns em análises políticas cotidianas. O de superestimar ou de subestimar a capacidade do presidente provocar estragos. 


Lembrou que em razão dos desacertos administrativos, das tragédias atinentes à pandemia, e agora a inflação dos alimentos e a crise energética, Bolsonaro depreciou muito a sua base política. 

“Ele não tem uma força avassaladora capaz de fazer qualquer coisa, de qualquer modo”. 


Por outro lado, se não devemos superestimá-lo, também não devemos subestimar esse estado de agitação golpista, porque isso em si mesmo já é grave; é grave porque atrapalha o país, impede o bom funcionamento da economia, geração de empregos, gera desalinhamento do câmbio e por conseguinte também inflação. E com isto nós temos danos concretos na vida da população, observa. 


Todavia, Flávio Dino ressalta que sua maior preocupação é com 7 de setembro de 2022, praticamente 20 dias da derrota de Bolsonaro nas eleições. 


O desespero com a perda do poder e o medo de ser preso poderá aumentar e muito a escalada da violência, inclusive com a repetição dos atos provados por Donald Trump, após a derrota pra Joe Biden.

 

“Ele certamente vai se inspirar no seu guru, com seu líder que é o Donald Trump, que estimulou uma marcha miliciana sobre o Capitólio. Ele é uma imitação muito precária de um político já precário que é o Trump...  


Por isso mesmo creio que ele vai trilhar por essa vareda. Nós vamos precisar de muito amplitude da sustentação da Constituição, legalidade e da democracia”, avisa. 


A entrevista foi realizada pelos Jornalista Fábio Pannunzio e Isabelle Gomes. 


Reportagem: Willame Policarpo


Nenhum comentário:

Postar um comentário